Central de Atendimento : (21) 3385-2000

Câncer de Mama

Câncer de Mama 2017-09-26T12:24:43+00:00

Definição

O câncer de mama é uma doença causada pela multiplicação anormal de células da mama, que podem ou não formar um nódulo palpável. Pode acometer ambos os sexos, sendo raro nos homens.

As células do câncer de mama podem migrar para linfonodos da axila e para outros órgãos como pulmões, fígado, osso e cérebro, o que chamamos de metástases. Quanto mais precoce for diagnosticado, mais chance de sucesso com o tratamento.

É o segundo tipo de câncer mais frequente no mundo e é o mais comum entre as mulheres.

Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), as estimativas de 2010 foram de 49.240 novos casos. Não há estimativas nacionais da incidência em homens, devido a sua raridade.

1. Idade
2. Obesidade
3. Bebidas alcoólicas
4. Exposição a radiações ionizantes
5. Terapia de reposição hormonal
6. História familiar de câncer de mama
7. Mutação genética dos genes BRCA1 e 2
8. Primeira menstruação precoce
9. Menopausa após os 50 anos
10. Primeira gravidez após os 30 anos
11. Não ter tido filhos

Podem ocorrer alterações na pele da mama (abaulamentos, retrações, vermelhidão e/ou aspecto tipo “casca de laranja”), alterações no mamilo (retrações, vermelhidão, saída de secreção), nódulos palpáveis na mama e/ou também na axila.

Em alguns casos não há sintomas, apenas alterações na mamografia, na ultrassonografia e/ou na ressonância nuclear magnética.

Para se estabelecer o diagnóstico de câncer de mama, é necessária a confirmação pelo patologista.
O mastologista realiza a biópsia e envia o material coletado para ser analisado pelo patologista, que irá procurar células compatíveis com o câncer de mama.

Após o diagnóstico, o médico faz o estadiamento da doença, ou seja, verifica a extensão da doença. O estadiamento do câncer de mama é feito através da análise do tamanho do tumor da mama, da quantidade de gânglios da axila que estão comprometidos pelo câncer e se há metástases em outros órgãos como pulmões, ossos, fígado e cérebro.

Após essa análise, o médico classifica o câncer de mama em estádios I, II, III e IV e escolhe o melhor tratamento para cada caso.

As modalidades de tratamento do câncer de mama são cirurgia, quimioterapia, terapia alvo molecular, hormonioterapia e radioterapia.

A escolha do tratamento de cada paciente é feita com base nas características do tumor (tipo histológico, estadiamento, receptores hormonais, receptor HER2) e nas características do paciente (idade, comorbidades, pré ou pós menopausa).

Existem vários tipos de quimioterapia, de terapia molecular e de hormonioterapia, sendo que cada paciente recebe o tratamento de acordo com suas características individuais e cada tipo de medicação tem efeitos adversos diferentes.

O câncer de mama, se diagnosticado precocemente, tem chance de cura com o tratamento adequado. Infelizmente, no Brasil, o diagnóstico ainda é feito em fases mais avançadas e a taxa de mortalidade continua alta. A sobrevida média mundial em 5 anos é de 61%.

O rastreio com mamografia é importante, pois torna possível o diagnóstico precoce e consequentemente aumenta a chance de sucesso com o tratamento e a sobrevida do paciente.

Não existe nenhuma maneira de prevenir primariamente o câncer de mama. Evitar a exposição aos fatores de risco reduz a chance de desenvolver o câncer de mama, mas não extingue esse risco.

As pacientes com idade entre 20 e 39 anos devem fazer exame clínico das mamas (pelo médico) a cada 2 ou 3 anos.

As pacientes acima de 40 anos devem fazer exame clínico das mamas (pelo médico) e mamografia anualmente.

Já as pacientes com história familiar de câncer de mama e/ou alterações genéticas devem buscar orientação médica. O profissional irá decidir quais exames serão realizados e qual a frequência desses exames, pois em alguns casos a mamografia complementada pelo ultrassonografia das mamas, ressonância nuclear magnética das mamas ou ambas podem ser necessárias.