Central de Atendimento : (21) 3385-2000

Câncer de Esôfago

Câncer de Esôfago 2017-09-26T16:22:00+00:00

Definição

O esôfago é um “tubo muscular” que leva o alimento da boca ao estômago e permite a passagem do alimento ao sistema digestivo.

O câncer de esôfago é cerca de 3 a 4 vezes mais comum em homens.

É mais incidente em afro-americanos que na raça branca.

Alguns países como a China, Irã e África do Sul têm taxas de incidência do câncer esofágico que são 10 a 100 vezes maiores que nos Estados Unidos.

A incidência do câncer de esôfago aumenta com a idade, sendo raro antes dos 40 anos. É mais frequente em homens, com uma de relação 3:1 em relação às mulheres, e mais comum na raça negra.

Os principais fatores de risco são o tabagismo e o uso abusivo de álcool. Os pacientes com presença de refluxo gástrico, esôfago de Barret conseqüente ao refluxo gástrico, acalasia e síndrome de Plummer (presença de membranas no esôfago decorrente da deficiência de ferro) têm um risco aumentado de desenvolvimento do câncer de esôfago.

Os hábitos alimentares como uma dieta pobre em frutas, vegetais e vitaminas, ingestão de alimentos quentes e obesidade também estão associados ao câncer esofágico, bem como o manuseio de produtos químicos usados em lavanderia.

Por fim, alguns agentes infecciosos como o HPV e uma história prévia de câncer de cabeça e pescoço parecem ter correlação com o aparecimento de câncer de esôfago.

O principal sintoma dos pacientes com suspeita de câncer de esôfago é a disfagia (dificuldade de deglutição) aos alimentos sólidos e evolutivamente, a líquidos. A dor é geralmente um sintoma tardio. O emagrecimento ocorre tanto pela dificuldade de deglutição como pela perda do apetite

O câncer inicial do esôfago pode aparecer como placas superficiais ou ulcerações, e as lesões mais avançadas, como massas ou grandes ulcerações. A biopsia da lesão confirmará o diagnóstico em mais de 90% dos casos.

Os exames complementares que auxiliam ao diagnóstico são a radiografia contrastada, a endoscopia digestiva alta com biópsia de qualquer área suspeita, a tomografia computadorizada para definição da extensão da doença, ultrassonografia endoscópica, broncoscopia para avaliação da extensão local da doença e PET TC para estadiamento.

O papel da laparoscopia é controverso, e este procedimento pode ser indicado nos pacientes sem evidência de metástases e em tumores com localização esôfago-gástrica.

Existem dois tipos principais de câncer de esôfago: (1) o carcinoma de células escamosas, comumente localizado nos 1/3 superior e médio, e (2) o adenocarcinoma, mais frequentemente localizado no 1/3 inferior e associado à presença de esôfago de Barret. Ambos compreendem cerca de 95 % de todos os tumores malignos do esôfago e diferem não somente na histologia e localização, mas também nos fatores predisponentes.

Com o estadiamento, poderemos avaliar a extensão da doença e assim, definirmos a conduta terapêutica. O estadiamento varia de estádio I ao estádio IV na dependência da infiltração local, comprometimento linfonodal, invasão de estruturas vizinhas e disseminação à distância.

Independentemente do tipo histopatológico, aproximadamente 50 a 60% dos pacientes com câncer de esôfago se apresentam como doença localmente avançada ou metastática. É possível prolongar a sobrevida apenas em um pequeno grupo de pacientes e a paliação é o tratamento de escolha para a maioria.

As opções de tratamento vão desde cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou a combinação dessas três opções. Nos estádios mais avançados, a paliação é a opção de escolha.

O câncer de esôfago é uma neoplasia de alta letalidade e com prognóstico pouco favorável. O diagnóstico precoce é, portanto, de extrema importância para o sucesso terapêutico.

Não há uma maneira eficaz de evitar o câncer de esôfago. O que se pode fazer é reduzir a exposição aos fatores de risco, principalmente ao fumo e ao álcool. Em alguns estudos, foi demonstrado que as pessoas que usam aspirina ou outras medicações como anti-inflamatórios (ibuprofeno) teriam um risco menor de desenvolver o câncer de esôfago devido à redução da inflamação.