Central de Atendimento : (21) 3385-2000

Perguntas frequentes sobre Psico-Oncologia

>>>Perguntas frequentes sobre Psico-Oncologia
Perguntas frequentes sobre Psico-Oncologia 2017-01-23T16:51:53+00:00

perguntas-frequentes-sobre-psico-oncologia

Respondidas pela psicóloga do Grupo COI, Laura Campos

1- O que é e quais são os objetivos da Psico-Oncologia?

A Psico-Oncologia trata dos aspectos emocionais dos pacientes com câncer. O seu principal objetivo é buscar a melhor forma de intervenção para reduzir o sofrimento do paciente durante o processo do adoecimento.

2- Como surgiu a Psico-Oncologia?

Na década de 1970, com a psiquiatra Jimmie Holland, no Memorial Sloan-Kettering Cancer Center em Nova Iorque. Ela criou um serviço de atendimento, pesquisa e treinamento para investigar os aspectos emocionais envolvidos no processo de doença e tratamento do câncer e avaliar sua interferência na vida do paciente.

3- Quando chegou ao Brasil?

O primeiro Encontro Brasileiro de Psico-Oncologia foi realizado em Curitiba, em 1989. Desde então, observou-se grande interesse dos profissionais pela área. E em 1994 foi fundada a Sociedade Brasileira de Psico-Oncologia.

4- Qual é o papel da Psicologia em um ambulatório oncológico?

O trabalho de um psicólogo em um ambulatório oncológico visa oferecer suporte emocional para que o paciente possa expressar seu sofrimento, compreender as dificuldades do momento vivido, perceber as situações que lhe mobilizam emocionalmente e instrumentalizá-lo para lidar da melhor maneira possível com as alterações e limitações impostas pela doença e pelos tratamentos.

5- Quando o atendimento psicológico é indicado?

Geralmente quando notamos certa dificuldade de adaptação e adesão aos tratamentos propostos e quando ocorrem sintomas depressivos e ansiosos.

6- O tratamento psicológico pode ajudar no tratamento do câncer?

Sem dúvida. A experiência do câncer é geralmente desafiadora, independentemente do local, da extensão, do prognóstico e dos resultados dos tratamentos. Todas essas transformações na rotina do paciente podem contribuir para o desequilíbrio psicológico dele e desencadear diversas reações emocionais. Por essas razões, o tratamento psicológico presta inestimável ajuda no enfrentamento do tratamento oncológico. A presença do psicólogo nos serviços de oncologia é obrigatória por lei (de acordo com a Portaria nº 3.535 do Ministério da Saúde).

7- É normal ter angústia ou tristeza durante o tratamento oncológico?

Normal é, mas depende da intensidade e da duração desses sentimentos. Se esses ficarem muito intensos, ao ponto de interferirem no funcionamento do paciente e na adesão ao tratamento, é importantíssimo buscar ajuda especializada.

8- É possível dar alguns exemplos de questões abordadas pela Psico-Oncologia?

Sim. Uma questão muito discutida é a queda do cabelo decorrente da quimioterapia e de como esse efeito colateral expõe socialmente o paciente. Outra questão muito comum é a dificuldade em lidar com a rotina que os tratamentos impõem e as mudanças que ocorrem no dia a dia do paciente e de seus familiares.

9- Quais são os principais benefícios perceptíveis nos pacientes que passam pelo atendimento da Psico-Oncologia?
A melhor adaptação ao tratamento e à doença, bem como a oportunidade de expressar seus sentimentos em relação ao adoecimento nesse momento delicado de sua vida.

10- Familiares do paciente também podem recorrer a serviços de Psico-Oncologia?

No Grupo COI, em princípio, atendemos os familiares no Grupo de Apoio Emocional para Familiares, coordenado por uma psicóloga da clínica. Ele acontece uma vez por mês, nas unidades da Barra e de Botafogo e é aberto a todos os familiares de pacientes do Grupo COI. É um espaço exclusivo do familiar, onde ele tem a liberdade de se expressar e dividir com outros familiares como é acompanhar uma pessoa com câncer. No grupo, eles têm a oportunidade de compartilhar experiências e perceber que não estão sozinhos nessa fase que muitas vezes se torna desgastante do ponto de vista físico e emocional.

11- Qual é o papel da Psicologia no tratamento do tabagismo?

O psicólogo trabalha juntamente com a equipe multidisciplinar. Seu papel é avaliar o estado mental e emocional do paciente e principalmente orientá-lo a respeito de questões comportamentais na cessação do tabaco, já que o hábito de fumar é muito arraigado na personalidade dos fumantes.

12- Como funciona o apoio emocional para os profissionais que lidam com os pacientes oncológicos?

É função do psico-oncologista dar apoio emocional aos profissionais de saúde que lidam com o paciente oncológico. Hoje, no Grupo COI, tal apoio acontece informalmente, uma vez que estamos disponíveis a escutar e a ajudar nossos colegas de trabalho. Todavia, não ocorre, por enquanto, nenhum trabalho estruturado e sistematizado com os profissionais.

13- O psico-oncologista trabalha com o paciente e sua família, individualmente ou em grupo?

O psico-oncologista pode abordar o paciente e sua família, tanto individualmente como em grupo, dependendo de alguns aspectos clínicos e institucionais.